Brasil

Brasil: as lutas das mulheres indigenas Guarani-Nhandeva

A Amazônia e o Cerrado brasileiras são cenários de formações sociais e históricas de várias sociedades. Sobre esta diversidade cultural e natural avançam a fronteiras das indústrias da mineração, do agronegócio, dos mercados de terras, da contaminação e apropriação da água.

Parte de fundamental desta história está inscrita no espaço territorial e natural apropriado socialmente pelos povos indígenas que vivem segundo suas próprias práticas de poder, organização e espiritualidade. Recebemos as palavras de Sandra Benites, do Povo Guarani Nhandeva, do estado Mato Grosso do Sul; e Leticia Yawanawa, coordenadora da Organização de Mulheres Indígena do Acre, na Amazônia brasielira.

 

 

Listen to “Brasil: as lutas das mulheres indigenas Guaraní-Nhandeva” on Spreaker.

Brasil: Mais indígenas mortos no Mato Grosso do Sul

COBERTURA ESPECIAL/ Brasil / Producción: IWGIA / Septiembre 2015

O Mato Grosso do Sul é o Estado com o maior conflito de terra no Brasil. No dia 29 de agosto deste ano fazendeiros tentam expulsar os índios da etnia Guarani-Kaiowa que reocuparam suas terras no município de Antonio João. O resultado deste conflito foi um índio morto e vários feridos. A seguir falaremos com Daniel liderança indigena kaiowa das terras em reocupação:

Foro Permanente: Suicidio e violencia entre os jovens indígenas

ENTREVISTA/ Foro Permanente-ONU/ Nova York/ Abril 2015

Naciones Unidas: Entrevista a jovem indigena Kaiowa-Guaraní Indianara Ramires da Reserva de Dourados. Representante da Ação dos Jovens Indigenas do Grupo de Apoio aos Jovens inidgenas-GAPK/AJI

Apoiada pela IWGIA esta em Nova York en la sesión del Foro Permanente de las Naciones Unidas, la joven indígena presentó una ponencia sobre la situación de los jóvenes indigenas no Mato Grosso do Sul. Onde se registra os maiores indices de suicidio e violencia entre os jovens indígenas.

IWGIA publicou livros sobre o assunto:

Discriminação racial

ENTREVISTA/ New York/ Produção : IWGIA /

Todas as pessoas nascem livres e iguais, sem distinção de raça, cor ou nacionalidade. Assim diz a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Em 1969 entrou em vigor a Convenção Internacional das Nações Unidas para a eliminação de todas as formas de discriminação racial.Para garantir que a convenção seja cumprida foi criado um comitê. Neste programa, falamos com Francisco Calí, primeiro representante da comunidade indígena a ocupar a presidência do Comitê para a Eliminação da Discriminação Racial, o CERD. Nesta entrevista, ele explica que o funcionamento da Comissão e os Direitos Humanos e o que ela representa para os povos indígenas.

Contato com o CERD:
E-mail: cerd@ohchr.org

Tel.: +41 22 917 97 57

Fax: +41 22 917 90 08

Para denúncias individuais:

Fax: + 41 22 917 9022 (casos de urgência)

E-mail: tb-petitions@ohchr.org